Sobre a praia.


O mar ia e vinha. Algumas vezes vinha perto demais, passava por mim e a cadeira afundava na areia. Outras vezes era o vento que vinha demais e secava a água salgada do meu corpo e quase me fazia sentir frio.
Também havia a saudade. O mar, o vento, a areia e a saudade. Em nove meses nunca fomos à praia. Aquela praia feia. A água tão bonita e a areia cheia de gente e de cor e de tudo que não é nada belo. Não que eu me importe muito. Só me importo com a saudade- que sendo minha ninguém pode acabar com a sua beleza triste e chorosa.
Não pode ocupar muito espaço, essa saudade. Lava-se a roupa, faz-se a unha, pinta-se o cabelo. Aquele livro de setecentas páginas vai se acabando. Aquelas barras de chocolate nem existem mais.
O que importa é gastar cada minuto rápido, o mais rápido possível. Quando perceber a saudade já não mais será nada além de vontade de ter mais do que já se tem. Ela ao meu lado de novo.

Anúncios

Um comentário sobre “Sobre a praia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s