Todas as cartas de amor.

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.
Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.
As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.
Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.
Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.
A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.
(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)

Álvaro de Campos.

+

Porque eu sou rídicula.

Foi em novembro de 2005:

Uma luz branca. Uma forte luz branca. Eu estava deitada e uma sucessão de luzes brancas transpassavam minhas pálpebras. Abri os olhos. Uma mulher loira, com olheiras e um rosto preocupado olhava-me nos olhos. Muitas vozes chegavam até mim, mas eu não conseguia distingüir nenhuma. Senti uma forte dor em meu nariz. Levantei minha mão direita e senti algo saindo dele- um tubo. Eu não morri. Eu estou em um hospítal. Eu não morri. Eu continuo viva. Eu não morri. Deus, por que eu não morri? Eu não morri, mas também não estou viva.

+

“É que o mundo todo vivo tem a força de um Inferno.”

Kundera:

“Não existe meio de verificar qual é a boa decisão, pois não existe termo de comparação. Tudo é vivido pela primeira vez e sem preparação. Como se um ator entrasse em cena sem nunca ter ensaiado. Mas o que pode valer a vida, se o primeiro ensaio da vida já é a própria vida? É isso que faz com que a vida pareça sempre um esboço. No entanto, mesmo “esboço” não é a palavra certa porque um esboço é sempre um projeto de alguma coisa, a preparação de um quadro, ao passo que o esboço que é a nossa vida não é o esboço de nada, é um esboço sem quadro.”

23:01

o mais bonito dessa história toda foram os dias ensolarados. porque eu sempre odiei o sol e falar agora que ele fazia os meus dias mais bonitos é uma prova irrefutável de como eu estava apaixonada. de como ainda estou. a grama era mais verde também. as formigas ficavam dançando valsa, ou samba. os pássaros voavam sobre as nossas cabeças e eu sentia que com você eu também poderia voar. e eu voei. passei por tempestades que poderiam ter me matado. nevoeiros que deixariam meus olhos cegos se não fossem pelas estrelas que quase me matavam de esperanças. voei meu caminho até te reencontrar. e vi que a vida pode ser boa de novo.