Sobre o abrir-se,


Nessa demora em deixar o abraço dos lençóis era quase recolher do sol quando abri as cortinas. A chuva caia forte molhando a poeira dos dias desde setembro e transformando o parapeito da janela em mangue. A bagunça cultivada em dias que essa casa não era a minha incomodava meus olhos: hoje eu limpo.
Everybody’s gotta learn sometimes e eu aprendi a esperar peixes se alinhar a sagitário com sorriso no canto do rosto e nos olhos o brilho de um mar de possibilidades.

Anúncios

Um comentário sobre “Sobre o abrir-se,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s