(Depois do) limite.


Então meus dedos de unhas ruídas percorreram toda a extensão da cólera que nascia em minh’alma transbordando pelo nariz olhos e boca. O olhar fixo em algo concreto mas as idéias transpassando esse mundo do sólido. Quis mostrar o revés de tanto amor jogado no lixo, mas você sempre sem ouvidos para a vida que não te acaricia o ego. Já era tão tarde em mim quando finalmente consegui olhar para os teus olhos e não ver nada além das ausências de tudo o que importa nessa vida, e além. Consegui naquela tarde chuvosa e as gotas d’água fustigando minha janela, consegui enxergar na tua mudez a falta do que falar. Monstro sem língua sem alma e sem cor que entrou na minha vida e me fez acreditar no meu ser errado. Nesse vômito que substitui a asfixia desde o dia em que nunca mais entrego ao mundo essas certezas de que acreditar é burrice dos amantes que amam sozinhos de olhos fechados. Pode pegar tudo, eu não preciso mais de artifícios para lembrar- essa consciência está pintada com tinta vermelha nas paredes d’alma.

Anúncios

Um comentário sobre “(Depois do) limite.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s