Distância.


Ao seu famigerado discurso, com a cautela de não pensar as palavras e fazê-las perder o pedaço d’alma que me roubam ao sair, direi que: não há a extensão no outro. Quando dizes essas cousas sobre a transcêndencia da paixão carnal urge em mim a vontade primitiva de quebrar-lhe a cara (e colocar fim ao teu  sorriso bobo).
Se desde o começo tudo o que existiu foi fogo & urgência,  agora não são possíveis discursos sobre a normalidade do frio que assolou os nossos espaços. No meu corpo, perdido de ti há meses, nada há que não o silêncio. Abismal vazio que nasceu do nosso parto ao avesso: as mazelas do mundo enfiei ventre a dentro para poder saber-me menos oca.
Se dormes então não ouves os gritos que preciso coroar-te os ouvidos. Do tempo curto de uma vida não posso levar tão pouco amor – do tempo curto de um amor não posso levar tão pouca vida.

Anúncios

Um comentário sobre “Distância.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s