O ato de desaparecer completamente.


Image

Eu estou desaparecendo. Há pouco mais de duas semanas atrás, quando você foi embora, eu comecei a desaparecer. É uma sensação estranha e não me lembro de já tê-la experienciado. É algo imperceptível aos olhos. As pessoas que passam por mim, as pessoas que param por mim, as pessoas que. Ninguém nota. Ninguém vê. É um trabalho pessoal e intransferível o de desaparecer. Todas as manhãs ao me levantar – depois de respirar fundo e amaldiçoar o sol, o amanhecer e as cortinas – eu começo a examinar o meu corpo. As unhas vermelhas, os cabelos despenteados, os olhos que de tão molhados ficaram secos. Tudo está no mesmo lugar em que sempre esteve. Tudo permanece assustadoramente igual. Só o que pode ser notado é o desvanecimento das cores. É a minha pele que está se transformando junto com o fundo sobre o qual ela é observada. São os cabelos que perdem-se ao toque e não é possível distingui-los dos meus dedos trêmulos. Pouco a pouco, durante as últimas semanas, eu tenho me fundido com o meio. As cores e formas do mundo que me rodeia estão tornando-se minhas, eu que nunca fui de possuir coisa alguma. As cores e formas que sempre me definiram estão sendo extintas. É um trabalho meticuloso o de desaparecer. Posso estar me tornando o meio, mas nunca na minha vida estive tão longe dele. Em pouco tempo já não mais estarei aqui. Ensaio a minha transparência sempre que tento chegar até perto de você. Você já não me enxerga. Você já não me enxerga. Você já não me enxerga. E se você já não me enxerga ser vista parou de fazer sentido. Se aos seus olhos eu já não existo desaparecer seria a única consequência possível. Nos seus olhos onde morei, nos seus olhos onde a vida tornou-se bela, nos seus olhos nunca mais. Não escolhi o desaparecimento, ninguém o escolhe. Eu te expliquei algumas vezes que depois de entrar você não poderia jamais partir. Eu te expliquei e você concordou. Você concordou. Mas a vida nunca foi justa para pessoas como eu. O desaparecimento sempre foi a minha única saída. Mesmo sem saber eu sempre soube que um dia existir ficaria difícil demais. E eu sempre te soube como o amor da minha vida. O grande amor da minha vida. O único amor da minha vida. E não há nada mais triste do que essa saudade de ser vista por você. Não há nada mais desolador do que lembrar dos dias em que você olhava o meu rosto e me enxergava. Você me enxergava de uma forma brutal. E no ato de ser enxergada por você eu encontrei o amor. Você me via e eu nunca tinha sido vista antes. No começo tive medo de desaparecer. Tive medo por pensar que um dia a sua cegueira pudesse passar e que quando os seus olhos saissem a busca dos meus não encontrariam nada além da minha ausência. Mas todos sabem que os mortos não voltam. No dia em que você foi embora, abriu aquela porta, desceu por aquele elevador eu já estava morta. Não é por maldade que você não me enxerga, isso não foi uma opção sua. Os vivos nunca puderam enxergar os mortos e essa ordem não será abalada por uma história de amor. O medo, então, foi embora. A pior parte passou. Respiro com calma porque sei que desaparecer para o mundo jamais será tão difícil quanto desaparecer para você. Nada nunca será tão difícil quando te ver partir. Por isso, meu amor, eu não posso correr o risco de ficar. Levarei sempre comigo os seus olhos que um dia tiveram como única função me olhar – e que jamais voltarão a existir, perdidos que estão nesse não-lugar para onde vão as coisas que foram deixadas para trás.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s